Blog

Blog

Por que explorar de forma sensacionalista e inverídica a doença mental na TV aberta em horário nobre?

Editor do Portal 23 de novembro de 2017 Artigos, Blog, Multimídia 13 comments
featured image

Uma moça de 34 anos estava com sua família em frente à sua TV da sala quando, inadvertidamente, sem que lhe pedissem licença, de maneira violenta e cruel, invadiram sua casa com cenas de violência e carregadas de preconceito sobre um tema tão delicado e tão custoso às pessoas que, como ela, padecem de algum transtorno mental. A cena lhe custou uma noite sem dormir, colocando ela e sua família em desespero, vendo-se novamente cercada por fantasmas que lhe assombraram no passado e que acreditava estar superando com a ajuda do tratamento e do apoio de sua família.

A cena foi uma infeliz e desrespeitosa abordagem da novela ‘O Outro Lado do Paraíso’, das 21h, da TV Globo, de autoria de Walcyr Carrasco, que foi ao ar no último dia 21. Nela a personagem da atriz Marieta Severo solicitava a um psiquiatra remédios que pudessem provocar alucinações em sua nora, interpretada pela atriz Bianca Bin, e forjava com ele um laudo falso sobre uma doença mental chamada esquizofrenia. Posteriormente a vítima seria internada em um hospício e submetida a tratamentos aviltantes em um ambiente que não retrata a realidade dos ambientes hoje para o tratamento dos transtornos mentais.

Ao chegar num hospício, um profissional afirma que a esquizofrenia não tem cura e que a pessoa poderia ficar internada pelo resto da vida. A nora é imediatamente contida por enfermeiros, sem sequer ser ouvida, e submetida ao eletrochoque sem nenhum tipo de critério ou cuidado com sua saúde, práticas que não condizem com a realidade das instituições para tratamento em saúde mental nos dias de hoje.

As cenas são fortes e mexem com o imaginário popular, que já é tão preconceituoso com a doença mental e seus tratamentos. Ao mencionar uma doença séria como a esquizofrenia, cujos esforços das últimas décadas têm conseguido mudar o seu prognóstico e a sua recuperação, lança na escuridão da ignorância e do estigma a sociedade que, ao invés de contar com uma informação esclarecedora sobre o que é a esquizofrenia e seus tratamentos, recebe esse desserviço da TV Globo.

A esquizofrenia não é uma doença incurável e, nem tampouco, pacientes ficam internados por toda a vida. É uma doença com diferentes níveis de recuperação, em que 25% pode ter uma única crise e se recuperar plenamente a ponto de não mais precisar de tratamento e até 70% dos pacientes se recupera de maneira a levar uma vida digna e com qualidade junto à sua comunidade e sua família, apesar de ainda precisar de algum nível de suporte ou tratamento. Internações são cada vez menos necessárias e somente se justificam quando as opções de tratamento ambulatorial forem esgotadas ou se o paciente estiver correndo risco de vida.

O eletrochoque, ou eletroconvulsoterapia – nome técnico, é um tratamento aprovado e regulamentado pelo Conselho Federal de Medicina, utilizado com critérios médicos rígidos, depois de um exame cuidadoso do paciente e com a autorização expressa da família, em ambiente hospitalar, sob anestesia e com monitoramento adequado dos sinais vitais do paciente. Não da forma como foi veiculado na novela.

A TV Globo desperdiçou uma oportunidade de ajudar as pessoas que sofrem de transtornos mentais a combater o estigma, como já fizera outrora em uma de suas novelas (‘Caminho das Índias’). Pelo contrário, as cenas da novela ‘O Outro Lado do Paraíso’ foram um tapa na cara das pessoas que convivem com transtornos mentais e dos profissionais de saúde que atuam na área, além de contribuírem para aumentar o estigma junto às pessoas que não possuem informação à respeito e acreditarão que esta é a forma de tratar as pessoas que sofrem com transtornos mentais.

Quais as razões para abordagem tão preconceituosa e apelativa? Sinal do desespero pela audiência? Mas a que custo? Explorar dessa forma a doença mental é tão grave e desleal quanto explorar de forma preconceituosa a cor da pele ou o gênero das pessoas.

A TV Globo deveria rever sua postura e reparar os equívocos nos próximos capítulos da novela.

13 comments

Sarah - 23 de novembro de 2017

Melhor texto, impossível!!! Obrigada Dr.

Julio Cesar dos Santos - 23 de novembro de 2017

A programação da globo infelizmente vem caindo de qualidade há muito tempo. A última novela que assisti até o final foi Alma gêmea.
Deixei de assistir 90% da programação da TV aberta, que é sensacionalista e apela para os mais baixos recursos em busca da audiência.

Adriana - 23 de novembro de 2017

Melhor texto!Eu, como mãe de um portador de esquizofrenia, me senti agredida com a cena ! A abordagem da trama foi infeliz, e um deserviço para nós e nossos familiares que lutamos tanto dia após dia ! Maravilhoso texto !

Ana - 23 de novembro de 2017

Não vi a descrita cena, mas toda ela, por esse resumo, foi um show de ignorância, dando aula para a audiência ficar ignorante também. O autor, caso perguntado sobre isso, talvez fale que foi inspirado, por exemplo, nos filmes sobre Camille Claudel, “dramatizando “e esquecendo que estamos em 2017. Isso passou por direção, produção, sendo absurdamente levado ao ar. O próprio autor faz parte de um grupo de pessoas que fazem ativismo pela sua causa. E não tem o mínimo de criatividade para inserir um conflito que passe verdade entre sogra e nora. Que show de incompetência, egoísmo e de desprezo por sua própria audiência, julgando-os diotas o suficiente para lhe continuarem dando audiência. No final, possivelmente estarao concorrendo a premios de Melhor novela, Melhor atriz, Melhor atriz coadjuvante, e por aí vai. Como já cantava o Titãs lá nos anos 80 : “A televisão me deixou burro/Muito burro demais.. .”

Carmen Cardoso - 23 de novembro de 2017

Penso que seria muito bom que no dia internacional da saúde mental se procedesse a uma maior divulgação da esquizofrenia e se retirassem todos os tabus que envolvem os que dela padecem.

Em breve e através de uma maior divulgação do conhecimento efetuado pela ciência e a tecnologia o homem irá “ver” o caminho para desvendar toda esta problemática…. O futuro é hoje… Acredito que muitos dos mitos desta doença seram desvendados em breve!

Que Deus ilumine todos os que ajudam os que sofrem. Bem hajam.

Ana Goes - 23 de novembro de 2017

Agradeço!! Acabei de compartilhar ! fiquei tao mal pq tenho uma filha que mora na clinica maia e queria uma resposta a altura para a ignorância total em resumo sensacionalismo da Globo e vcs graças a Deus me deram aqui! Obrigada por responderem por todos pelos famíliares e pelos doentes!

Dilma Coelho - 23 de novembro de 2017

Lamentável essa situação. Há cerca de 20 anos não assisto TVs. Até uns seis meses atrás assinava a NET mas, por tentarem manipular questão de valores, cortei. É uma questão de ideologia/visão do mundo. Se puderem assinem a NETFLIX, baixem ou assistam filmes da/na Internet. Não esperem nada respeitoso ou sério das TVs.

Roder - 23 de novembro de 2017

Infelizmente, nem reclamar com a Rede Globo podemos. Já não basta a ignorância e o preconceito que os pacientes recebem todos os dias, até de quem a eles são próximos, como próximos, agora temos uma novela assistida por milhões de pessoas retratando uma mentira e insultando até a classe médica. Triste, muito triste. Não assisto estas novelas, qualquer uma delas, mas sei que a única que mostrou um pouco da realidade faz bastante tempo com o ator Bruno Gagliasso. Minha família luta com tal doença todos os dias, todos os meses e lutará por muitos anos, mas esperamos um dia a sociedade brasileira se preocupar mais com o preconceito contra as doenças debilitantes do que com cor ou raça. Mas aqui é Brasil . Para a mídia e para grupelhos esquerdistas chama mais atenção um ato racista contra uma pessoa totalmente normal com capacidade de raciocinar e entender do que com uma pessoa que sofre de doenças mentais e sofre preconceito todos os dias nas ruas, nas escolas, no trabalho, entre os “amigos” e entre até parentes.

Kelly - 24 de novembro de 2017

Ótimo texto. Penso que deveria chegar urgente à TV Globo e ao Sr Walcyr Carrasco. E realmente isso deve ser revertido nos próximos capítulos. E até com uma nota de esclarecimento sobre o assunto para todas as pessoas que ainda perdem tempo na vida assistindo a tais programações.

Roberto Henrique Garcia de Lima - 24 de novembro de 2017

O AutorWalcicyr Carrasco,e equipe de pesquisa da rede globo precisa LER O LIVRO “ENTENDENDO A ESQUIZOFRENIA”do Doutor Leonardo Palmeira ,e ver que é triste uma Novela no século XXI cometendo os erros do século XVII,VERGONHOSO .

Nora Lopes Lanari - 24 de novembro de 2017

Lembro me bem de como outras novelas souberam abordar temas importantes com clareza e responsabilidade. E fazendo um retrospecto cheguei à conclusão de que quem sabe fazer isto é a Gloria Perez (lembro-me neste momento de “O Clone” e “Caminho das Índias”.

Leda - 24 de novembro de 2017

Por pouco nao passei pela mesma situação enfrentada pela família citada. E só nao passei porque meu filho de 33 anos nao agüentou assistir a novela pois devido a própria medicação acabou dormindo… Ufa! Sem falar em outras cenas que também me preocuparam como colocar o remedio em baixo da língua para enganar os enfermeiros, ou pior o medico receitar remedios para induzir delirios. E novamente fiquei aliviada por meu filho nao ter visto tais cenas, pois ele já reluta em tomar medicação, imagina se tivesse mais esses argumentos?

Ana - 29 de novembro de 2017

É, interessante que Glória Perez, ao abordar o assunto em “Caminho das Índias ” , pediu e teve a assessoria da Dra. Ana Beatriz Barbosa e Silva, uma renomada e competente psiquiatra, com vários livros lançados . O problema dessa novela é que não querem colocar a verdade relatada num tom com ingredientes televisivos, como fez Glória Perez, ou como fez o diretor de ” Uma Mente Brilhante”, que adaptou na linguagem cinematográfica uma verdade que, em ambos os casos, gerou um público ético e ajudou os portadores do transtorno. A diferença é que Glória Perez tem empatia, alem de ética talento, e o diretor de “Uma Mente Brilhante” não apelou, aparou as arestas e fez um brilhante filme.

Add your comment