Blog

Blog

Fases da minha vida: um depoimento de quem luta para vencer a esquizofrenia.

Editor do Portal 9 de novembro de 2011 Blog, Depoimentos 41 comments
featured image

A.Santos tem hoje 43 anos e mora em Brasília. Ele contou ao Portal Entendendo a Esquizofrenia sua experiência com a doença em diferentes momentos de sua vida.

Minha infância e adolescência

Minha mãe conta que quando eu era bebê até meus dois anos eu tinha convulsões e até esta fase tomei um medicamento chamado Luminaletas (fenobarbital). Lembro-me que aproximadamente aos seis anos sentia uma sensação estranha na minha cabeça que me deixava com fraqueza mental e física a ponto de apresentar muita sonolência, sensação essa que me acompanhou por toda a vida, até hoje em dia ainda sinto de vez em quando, mas, melhorou bastante. Mas, quero frisar que terminei o segundo grau, trabalhei desde os dez anos, quando comecei a vender jornais ou picolés e fazer frete de mercados em carrinhos.

Aos dezessete anos tive meu primeiro emprego com carteira assinada em uma empresa e depois servi ao Exército, voltei para a trabalhar, passei em um concurso militar onde fiquei por mais dezesseis anos. Fiz outros concursos, passei em vários e fui chamado, mas não tomei posse. Durante todo o tempo de minha adolescência e até os meus quarenta anos aproximadamente fiz vários cursos civis e militares. Tudo isso com aquela mesma sensação descrita antes, me atacando constantemente.

Lembro-me que aos dezessete anos, na sala de estar da casa de um amigo, observei na estante um livro que falava sobre psicose. Algo me chamou a atenção e eu pedi o livro emprestado. Li e fiquei assustado, pois percebi que tinha algo a ver comigo. Talvez tenha sido desde este acontecimento que fui pesquisando mais sobre minha vida, minha maneira de ser e me lembrava que desde menininho eu era muito quieto na sala de aula, retraído entre os colegas e desatento ou desligado do mundo. Mas observei que havia mudado muito pouco, pois na escola ou na rua eu não tinha coragem de conversar ou muito menos paquerar as meninas. Tinha vontade, mas não conseguia. Eu costumava ingerir bebidas alcoólicas desde meus quatorze anos, ao menos nos finais de semana, e fumava cigarro com certa freqüência, principalmente quando bebia. Isso me ajudava a me aventurar mais a mexer com as garotas.

Foi aos dezenove anos que experimentei um trago de maconha pela primeira vez. Depois disso, experimentei a maconha outras cinco vezes, mas somente um trago ou dois, passando seis meses a anos entre uma tragada e outra. Eu nunca fui usuário de maconha ou outras drogas ilícitas, usei mesmo porque estava em companhias que o faziam, mas nunca procurei por isso sozinho. Em 1997 fui levado a cheirar um pouco de cocaína em um bar. Essas coisas são geralmente normais para quem sai para beber à noite ou pela madrugada como eu fazia.

O primeiro surto

Por volta de 1997 comecei com outra sensação estranha na minha cabeça. Não sei se era uma piora da sensação anterior ou se era outra diferente. Uma sensação de descarga elétrica com o barulho característico de um curto circuito, zzzzzzzzzzzzzzzzz. Na época colocava as mãos na parede ou no chão de cerâmica para descarregar, pois achava que poderia estar com muita energia acumulada. Outra sensação ruim me afligia naquela época e perdura até os dias de hoje, certa pressão na cabeça, que é diferente de uma dor de cabeça.

Eu constituí uma família em 1989, com vinte e um anos, quando minha namorada engravidou. Tivemos um casal de filhos. Tivemos muitas discussões por diversos motivos, mas, principalmente porque eu bebia muito. Desde 2007, sentia um peso muito grande em relação ao meu serviço militar, por problemas que vinha enfrentando com um curso, que precisei entrar na justiça para que fosse reconhecido. Depois por um acidente no serviço, em que eu achava que poderiam me culpar pela morte de uma pessoa. Estava num estado de estresse tão grande que não conseguia avaliar a situação e me sentia indigno de vestir a farda.

Passei um ano e três meses sem ingerir um gole de bebida alcoólica e em março de 2001, durante as minhas férias, comi um churrasco e bebi uma única dose de conhaque. Ao me deitar com minha então esposa, lhe disse o que ocorreu. Ela se levantou da cama e disse que já havia avisado que da próxima vez não teria mais volta e que tudo estava acabado. Ela ainda passou mais uma semana em casa enquanto eu tentava convencê-la de que não iria mais beber, me declarava e implorava o seu perdão, mas depois ela me disse que já tinha outro homem e saiu de casa direto para morar na casa dele. Deixou para trás eu e nosso casal de filhos. E eu não sabia sequer quem era o homem ou onde morava.

Foi aí que eu realmente comecei a delirar, achei que ela estava sendo enganada e que poderia estar sendo raptada, que o homem queria explorá-la, fazendo-a trabalhar em um prostíbulo, e comecei a delirar com diversas idéias diferentes. Depois vieram as alucinações, via vultos passarem fora da casa e dentro, com a televisão desligada via sombras se mexendo na tela e falava com a TV. Passei oito dias sem dormir. Comecei a imaginar que ela estava presa e logo achei que ela estava dentro de um quarto na casa do vizinho dos fundos, cujo quarto era ao lado do nosso. Então eu peguei uma picareta para derrubar a parede do quarto, mas meu pai me impediu. Então eu subi pelo telhado e entrei na casa do vizinho, olhei por uma fresta na porta e verifiquei que lá só tinha papéis. Passei a procurá-la em quartéis, achando que haviam tomado ela de mim. Meu comandante deu ordem para que me internassem caso eu continuasse procurando no quartel ou em outros, mas eu continuei. Então me conduziram a um psiquiatra num hospital geral, eu achei que ele fosse Deus e ele me prescreveu oito dias em casa, disse que era normal e não prescreveu medicações. Em casa eu fui piorando, então meu pai me levou a uma consulta num hospital psiquiátrico público e o médico me passou licença e medicações. O problema foi só piorando, mesmo sem a ingestão de bebidas alcoólicas. Seis meses depois do início dos delírios e das alucinações fui internado pela primeira vez em um hospital psiquiátrico. Sai do hospital com o diagnóstico de psicose não orgânica não especificada (CID10: F29).

Aceitando a minha doença e o tratamento
Mesmo assim continuava com os delírios. Fui até a polícia civil e polícia federal denunciar que minha ex-mulher havia sido seqüestrada e que havia uma quadrilha fazendo tráfico de mulheres que interceptavam ligações telefônicas para saber da vida de casais para conseguir separá-los. Achava que tinha um objeto instalado em minha cabeça que monitorava todos os meus sentidos e ao mesmo tempo emitia sinais para mim através do tato, visão, audição, paladar e olfato. Passei a achar que tinha um sexto sentido. Pensava que estavam me envenenando em meu quarto quando eu dormia e até que colocaram veneno em minhas cuecas. Pensava até em seres extraterrestres, sobrenaturais e espionagem de guerra onde países como os Estados Unidos monitoravam pessoas de outros, como o Brasil, por computadores com câmeras e comandavam essas pessoas como quisessem sem que fossem percebidos. Entretanto, o aparelho instalado em meu cérebro estava sendo rejeitado pelo meu organismo e eu estava descobrindo isso. Eu imaginava que, se os americanos faziam isso conosco, alguém superior deveria fazer o mesmo com eles, os extraterrestres neste caso. Enfim, tive delírios e alucinações de todas as formas, cheguei inclusive a pensar ser um cyborg.

Somente depois da terceira internação é que comecei a melhorar realmente. Como minha mãe, desde o princípio do surgimento dos sintomas, havia me pedido para esquecer o passado e viver do presente e do futuro, eu perguntei, uns dois anos depois, se ainda poderíamos viver de presente e futuro. Ela me respondeu que sim, me abraçou e me beijou. Tenho isso como marco da minha volta à realidade. Desde então comecei a me empenhar mais no meu tratamento, mas tive um deslize no tocante ao alcoolismo e percebi que os sintomas estavam voltando no final de 2006. Solicitei uma nova internação e fui atendido. Então passei a me policiar mais.

Devido a eu não ter tido condições naquela época de cuidar dos meus filhos, que ficaram sob os cuidados da minha mãe, um ano depois da separação a mãe deles requereu a guarda na justiça. A juíza pretendia deixar as crianças aos cuidados da minha mãe, mas elas choravam de saudades da mãe e eu pedi a minha mãe que os deixassem com a mãe deles. Minha mãe não quis prejudicar as crianças e nem me contrariar e, então, pediu à juíza que atendesse ao pedido dos meus filhos e da mãe deles. Hoje eles vivem perto de mim, meu filho vejo todos os dias e minha filha aos finais de semana, por estar terminando a faculdade.

No início do tratamento é difícil se acostumar com a medicação. Eu me recusei a tomar a medicação, mas era forçado a tomá-la. Creio que as internações foram bastante importantes para me adaptar ao medicamento. A aceitação de que eu tenho esquizofrenia hoje para mim é normal, mas cheguei relutar contra a idéia, principalmente depois que eu soube que tinha que tomar a medicação para o resto da vida e/ou quando soube que a doença não tinha cura. Eu achava que poderia ser um transtorno passageiro, mas o diagnóstico veio na terceira internação, em 2002.

É claro que eu reclamo muito dos prejuízos que tive com a esquizofrenia, de saúde e de ordem social e profissional. Hoje sou aposentado, ou melhor, reformado, pois sou militar. Tinha uma grande carreira a seguir e foi interrompida abruptamente. Hoje os sintomas que me afligem realmente são a falta de vontade, certo cansaço, coisas em geral que estão relacionadas aos sintomas negativos da doença e vinha sentindo de vez em quando uma fraqueza mental que parecia que iria me fazer apagar completamente, mas o médico me receitou algumas vitaminas, eu cuidei mais da alimentação e agora estou melhor. Mesmo assim, me considero bastante ativo.

Sei que muitos que passam por esse problema ou parecido não querem saber de falar em religião ou em Deus, Poder Superior… Mas devemos confiar ao menos nos médicos que estudaram para nos tratar. No início eu achava que os médicos estavam me tratando como cobaia. Depois passei a perceber que eles já tinham conhecimento de outros casos parecidos com o meu, eu não era o único, por isso, não precisavam fazer experiências comigo. E para aqueles que confiam em Deus ou num Poder Superior, por que não confiar nos médicos que são criaturas dessas entidades e por isso podem ser instruídos por Deus ou por um Poder Superior?

Fez parte indispensável ao meu tratamento, fora as internações, Alcoólicos Anônimos (AA), o CAPS/AD (onde tratei o alcoolismo), o CAPS-II (onde tive atividades de ressocialização, com psicoterapia em grupos, terapia ocupacional, lazer e outros), Hospital Dia de clínica particular (HD), psicoterapia individual em clínica psicológica, consultas psiquiátricas ambulatoriais e religião.

Faço parte de uma família onde tem várias pessoas com diagnóstico de esquizofrenia, desde irmãos até outros parentes e antepassados. De todos o único que tenho conhecimento de que se envolveu com cigarro, álcool e que já experimentou, mesmo que somente um pouco, outras drogas, fui eu. Por isso, creio que no meu caso a esquizofrenia eclodiu em 2001, porque eu já tinha predisposição e fatores emocionais e ambientais estavam desfavoráveis.

Hoje sei que na verdade agi com muita prudência no caso onde morreu ao menos uma pessoa quando eu estava na ativa, não poderia ter sido mais assertivo. Desde 2006 tenho uma nova mulher e dois enteados que hoje tem dezessete e dezenove anos. Ainda pretendo fazer mais cursos e talvez até mesmo uma faculdade. A vida continua mesmo depois das piores tormentas. Ter fé é essencial para que possamos superar as dificuldades que temos na vida. Boa sorte a todos!

41 comments

U. - 12 de novembro de 2011

Na Literatura de Psicologia não costumam (até onde vi) ser citados esses dois delírios que o autor do texto acima relatou,quais sejam:sentir choques elétricos no corpo e conversar com a televisão.Eu tinha muito ambos,mas agora estou melhor.
Acreditava também em sexto sentido,e esse sintoma ainda me confunde muito,parece mesmo que ‘as vezes compartilho a imaginação e uso telepatia.Jorge Mautner e Rita Lee já citaram telepatia em suas canções…e muita gente acredita em sexto sentido.

Ana Saraiva - 13 de novembro de 2011

Fiquei muito emocionada lendo essa história,pois tenho um filho com 20 anos,portador de esquizofrenia desde os 18.Graças a Deus ele nunca teve esses sintomas,pois descobrimos a doença ainda no princípio.Ele toma leponex e se trata com um pisiquiatra maravilhoso que tb é nosso amigo.
Eu não tenho dificuldade alguma em lidar com ele,pois é um filho muito carinhoso e amigo,ele é muito calmo,Estuda…mas ainda não trabalha.Tem alguns sintomas sim,mas são poucos.
Eu,como mãe,deixo a vcs a seguinte mensagem.
OS ESQUIZOFRENICOS SÃO PESSOAS DE CORAÇÃO PURO E SEM MALDADE.

São pessoas doces…eles sim são abençoados por Deus
Aos pais de esquizofrenicos eu digo..DEUS DÁ FILHOS ESPECIAIS A PAIS ESPECIAIS!!!!
Que Deus abençoe a todos!!!!.

juliana - 15 de novembro de 2011

Adorei este depoimento e os comentarios,gosto de uma pessoa que tem esquizofrenia e nao sei como lidar com isso.Procurei este blog para poder obter algum tipo de ajuda e gostei muito de tudo que vi.

Lucas - 19 de novembro de 2011

Cara, vc é um guerreiro, eu tenho esquizofrenia, e sei a dificuldade p concilia toda uma vida normal exigida pela sociedade, e a psicose, os delirios, as emoçoes exacerbadas, cara p as pessoas é só acordar, tomar um banho, café e ir pra luta, pro esquizofrenico é matar um demonio dentro de si por dia,e ir a luta, com sequelas e problemas do pensamento.. vc é um cara muito inteligente, parabens eu admiro gente que luta, e passa por dificuldades, e nao se da por derrotado.

SAonivaldo. - 26 de novembro de 2011

Olá senhores internautas;
A 15 anos sou casado com uma pessoa que é Esquizofrenica. Sei a dificudfade
que é para lidar. Pois preciso sair para trabalhar e a deixo juntamente com as
crianças, as vezes está muito agitada e descontrolada, fico muito preocupado
seria bom se pudesse ficar sempre perto mais é muito difícil para mim.
A filha adolecente que temos não entende as vezes elas discutem brigam
e a preocupação só tem aumentado. Quando ao amigo do texto, com toda
autoridade digo que ele é vencedor. Parabéns.

Noemir Mendes de Oliveira - 30 de novembro de 2011

Meus cumprimentos a todos…
Tenho lido as ultimos depoimentos e tudo soube esquizofrenia… Fico feliz ao ler um depoimento como o seu. Parabens e não se permita fraquejar, não deixe de tomar e ouvir seu médico. O mais importante voce ja conseguiu: se concientizar e aceitar a doença, portanto meu amigo, viva a vida, seja feliz e Deus te proteja muito.
Tambem tenho um filho que no momento esta internado ja ha 2o dias para tratamento de esquizonofira. Carrego um grande sentimento de culpa pois quando teve o primerio surto, apos o rompimento de um namoro, quando ele alterou seu compoertameno, ate então era contido, controlado, calado, um meni de ouro, e ha ainda o é. mas ficou agitado, falava muito, andava, perdeu a capacidade de concentração e direção.. e pediu socorro, disse não estar bem. Só que este socorro não veio, e logo a seguir ele embarcava p o EUA, sem dinheiro, um amigo financiou passagem, sem falar ingles, e la ficou por quase 8 anos e surtou. Graças a Deus teve ainda condições de pedir ajuda pois queria voltar, chegando no Brasil, eu ja estava morando em Portugal, não tive condições de ir, só depois estive com ele. Hoje sofro muito por estar longe, e para daqui uns meses estou indo de volta, tentei trazê-lo pois aqui em Portugal estou bem, e o hospital daqui é maravilhoso, mas até agora não consegui convencê-lo a vir. Tô tentando me aguentar e não sofrer muito com tudo isto ate porque sei que ele precisa de mim saudavel.

daniel - 6 de dezembro de 2011

gostei muito do seu depoimento pois o melhor remedio e as pessoas aceitarem a doença tenho esquizofrenia descobri a quatro anos desde entao faço uso de haldol ja tive tres surtos nao e facil pois a cada surto a gente tem qe se superar sempre fui muito calado na escola tinha dificuldade de apredizagem pricipalmente em matematica era afastado das pessoas nao tinha amigos

creuza dos santos - 7 de dezembro de 2011

Ola tenho 14 anos e enfrento o mesmo problema que você desde a pressão na cabeça até ter de fazer psicoterapia.
Eu sempre fui muito isolada não sei bem o que acontecia tinha medo da rejeição ,tinha medo do que as pessoas iriam falar de mim..Isso me levou a ter esquizofrenia..Eu falava sozinha na verdade eu tinha alusinações digamos que eu falava com as paredes…Era um jeito de expor minhas ideias.
Em contato social sempre muito timida mas depois de 5 minutos começa a falar com as pessoas…Por exemplo a pessoa sorri e voce retribui acabava que por final e me sintia a vontade com pessoas assim e por conta disso me soltava mais.
Sempre me sentia cansada fisicamente e acho que mentalmente tambem.Fora isso tambem ja tive outro problema psicologico chamado anorexia depois dessa doença comecei a sentir minha cabeça ainda mais pesada e com isso a esquizofrenia so piorou.não sei ficou mais intensa….
Achava que estava vendo fantasmas ou coisas do tipo. e agora ouço vozes decorrente de alguns fatos que aconteceram….Agora estou tomando varias vitaminas,remedios para tentar melhorar.. Dentre elas geleai real,oleo de peixe,leticina de soja e tambem o que psiquitra receitou chamado sertralina.
Talvez vou começar a fazer psicoterapia.
Quero fazer outras coisas tambem por conta conta propria desde tocar violão,compor musicas,fazer aula de ingles,aula de español,começar um diario,ler mais livros,comprar cd’s,tentar fazer amizades enfim quero fazer varias coisas….

maria de fátima - 9 de dezembro de 2011

oi, meu é fátima, sou mãe de Denison, um rapaz com 29 anos que é portador de esquizofrenia. ele ás vezes fica calma durante vários dias nem parece que tem essa doença, conversa normalmente com as pessoas. mas, tem diias que ele muda o comportamento fica nervoso e falando sozinho pro vários dias , depois volta ao normal de novo. eu fico sem saber como fazer.

APARECIDA - 18 de dezembro de 2011

SOU MAE DE UMA MENINA DE 18 ANOS QUE TEM ESQUIZOFRENIA .
ELA SEMPRE FOI MUITA TIMIDA QUANDO DEU O PRIMEIRO SURTO FOI AOS 15 ANOS FIQUEI LOUCA SÓ CHORAVA TIVE QUE INTERNALÁ .
DEPOIS DISSO ELA NUNCA MAIS VOLTOU A SER O QUE ERA NÃO CONVERSA MAIS NÃO MOSTRA SENTIMENTOS MUDA DE OPINIÃO A TODO MOMENTO.
NÃO DEIXO MAIS ELA SAIR SOZINHA SÓ COMIGO POIS PARECE QUE TEM HORAS ELA PERDE O SENTIDO ATRAVESSA A RUA NA FRENTE DO CARRO.
TEM DIA QUE ELA ACORDA PEDINDO SEM PARAR PARA SAIR PEDE MUITO SE PARAR AI EU NÃO SAIO POIS TENHO MEDO DE SAIR SOZINHA CO ELA POIS AS VEZES ELA SAI CORRENDO ABRE A PORTA DO CARRO ANDANDO QUERENDO FUGIR QUANDO ESTOU EM CASA SOZINHA COM ELA EM CASA ELA PEDE EU NÃO SAIO ELA FICA AGRESSIVA COMIGO ARRANHA ME MORDE VEM PRA CIMA DE MIM E ME MACHUCA POIS ELA TEM MUITA FORÇA.
ELA TOMAVA MELLERIL E NEOLEPTIL O MEDICO DELA TIROU O MELHERIL POIS ELA ENGORDOU MUITO COMIA MUITO PASSOU NO LUGAR PARA
TOMAR COM O NEOLEPTIL O OPINOX 25MG MELHOROU A AGRESSIVIDADE MAIS CONTINUA COMENDO MUITO .
NÃO SEI O QUE FAZER MAIS ESTOU FICANDOLOUCA SEM SABER O QUE FAZER.
LENDO DEPOIMENTOS DE PESSOAS ALIMENTA A ESPERANÇA DE DIAS MELHORES. OBRIGADO

DMV - 20 de dezembro de 2011

Olá. Estou emocionada e confusa agora. Tenho recebido alguns esquizofrenicos e familiares de esquizofrenicos no trabalho e estou aprendendo sobre a doença. Acho que tive um caso na família, mas não tivemos tempo de descobrir… Quero dizer que te percebo extremamente forte, guerreiro e capaz, embora consiga – minimamente – imaginar seu sofrimento. Vc é uma das pessoas que gostaria de conhecer na vida: pessoas interessantes, realmente especiais-no sentido literario da palavra. Parabens!

MAAG - 1 de janeiro de 2012

Sras. e Sres., tenho 48 anos e surtei pela primeira vez em 1998, ou seja, já se passaram 11 anos que a esquizofrenia se manifestou. Desde então, passei a frequentar consultorios psiquiatricos, já tomei vários tipos de remédios, tais como, haldol, carbamazepina, rivotril, neuleptil, ácido valpróico, geodon, quetiapina, akineton, bromazepam, carbolitium, etc…Quando a doença se manifestou e fui levado ao Psiquiatra, o mesmo não quis me dizer qual a doença que eu tinha. Eu escutava vozes me chingando e dizendo que iam me matar quando eu saisse para a rua, então , a partir dai minhas saidas foram ficando raras, e mesmo assim, quando eu conseguia me controlar e sair na rua, eu tinha que estar acompanhado.
Quando meus “amigos”, souberam que eu estava com uma doença mental, os mesmos viraram as costas para mim, desde então, todos eles passaram a ser considerados como meus inimigos. Mas graças a Deus e a minha mãe, mudamos para o interior de São Paulo. Passado um ano, retornamos para SP, só que morando em outro bairro. A única pessoa que sempre esteve ao meu lado cuidando de mim, foi a minha mãe.Já fui internado em hospital psiquiatrico por mais ou menos 5 vezes,onde o Psiquiatra que me assistia receitou quetiapina 200mg, risperidona 2mg, akineton 2 mg e bromazepam 3mg. Parece-me que esses remédios estão funcionando bem, pois, faz um tempo que não surto. Estou aposentado por invalidez. Graças a Deus, consigo esses remédios gratuitamente no programa Dose Certa e estou casado com uma mulher fabulosa, que sempre está ao meu lado, mesmo sabendo que sou esquizofrenico. Gostaria de parabenizar o amigo que conseguiu se recuperar, ou melhor, superar a doença.

DAILDO - 11 de janeiro de 2012

Olá sras. e sres. Meu nome é DAILDO eu tenho 41 anos e em 2003 manifestou algo em mim , eu era motorista de transporte coletivo e não era extressado mais disse que o disturbio pode ser ereditario ou coisa parecido. Eu tinha um irmão mais novo que eu 4 anos que foi constatado que era altista ele faleceu aos quase 5 anos de idade , eu sempre levava uma vida normal , foi quando comecei a ter visão das coisas parava o onibus e ninguem entrava , eu imaginava que tinha alguem me chamando e nao era nada só eu ouvia . UM DIA TIVE UMA VISÃO INUSITADA , UM NAVIO PASSOU EM MINHA FRENTE EU PAREI BRUSCAMENTE PARA NAO BATER NO TAL NAVIO, A PARTIR DAI NUNCA MAIS PUDE FAZER O QUE EU MAIS GOSTAVA ACABOU A MINHA PROFISSÃO. Entrei em depressão e tomei varios medicamentos vou ao psiquiatra regularmente hoje tomo só dois medicamentos , voltei pra escola minha familia me dá o maior apoio tanto é que estou escrevendo um livro sobre a minha vida . Sobre as pessoas fui julgado de todas as maneiras fui aposentado por invalidez mais até hoje tem pessoas que falam que é frescura minha mais eu entrego na mão de DEUS . Vou dar a vcs um conselho , nao fique parado , eu fui procurar um esporte e me senti muito bem jogo bola num time de pelada perto da minha casa lá eu sou tratado como selebridade já até passamos no jornal nacional por ter uma disciplina invejavel . Eu sonho em fazer uma faculdade e ajudar as pessoas com esse transtono , quero agradecer a DEUS por me sentir quase curado apesar de saber que nao tem cura mais tem controle e eu sinto controlado . Fazemos terapia em uma unidade de saude temos um blog é auto estima pura nao deixamos ninguem em baixo astral acho que sou até poeta tem vario textos que escrevi . O endereço do blog é http://www.oapitoonline.blogspot.com Acessa lá e vcs vera que a vida vale muito . Estou aqui sou de Vila Velha E.S fica com DEUS .

Antonio Benvindo Luz Rodrigues - 12 de janeiro de 2012

Caro amigos

Tenho uma namorada que teve problemas psciquiátricos. Não sei explicar exataemnte o que aconteceu co ela.. Até porque isto se tornou um assunto que ela não gosta de comentar… Já tentei falar a respeito com ela, obtive uma resposta meio vaga.. Sei apenas que ela paassou algum tempo deprimida, chorando muito e absorta em um quarto.. Hoje ela se encontra apararentemente normal… Fazemos esporte juntos (academia, bicicleta), saimos bastante e temos uma vida social normal… Entretanto percebo que existe algo de anormal… Fico imaginando se isto é coisa da minha cabeça ou se realmenete existe alguma deficiencia mental.. O nome dela é Matilde… Gosto dela e até penso em me casar… Mas confeço que tenho medo de uma recaida futura..já passei por um casamento sofrido e não gostaria de passar por outro. Ela toma o remádio Melleril…Já andei lendo alguns textos a respeito e sei que que é remédio de uso contínuo e bastante forte.. Percebi que ela se envergonha de tomar este medicamentp na minha frente e isto vem se tornando um problema para ela, dada fragilidade de se reconhecer “doente” perante a seu namorado e as pessoas.

ME AJUDEM A ENTENDER ESTA DOENÇA E SABER SE DE FATO ISTO PODE SE CONSTITUIR EM UM PROBLEMA FUTURO.

suzana de espindola - 19 de janeiro de 2012

ola ´pessoal m chamo suzana tenho 27 anos e alguns meses começei com esses sintomas vejo vultos jente m chingando tenho mt fraqueza sinto q vou morrer;tenho visoes e nao consigo m relacionar com o mundo la d fora esta mt dificil quase ninguem m entende e eu nao sei o q fazer.

IRENE MENDONÇA - 23 de janeiro de 2012

FIGUEI MUITO EMOCIONADA COM OS DEPOIMENTOS, A ALGUNS DIAS DESCOBRI QUE O HOMEM QUE EU AMO E QUE NUNCA ESQUECI E ESQUIZOFRENICO, ESSA NOTICIAS ME DEIXOU MUITO TRISTE, MAS EU O AMO E QUERO MUITO AJUDA-LO, QUERO SABER TUDO SOBRE A DOENÇA, POR FAVOR ME AJUDEM A AJUDAR MEU AMOR,QUEREMOS MUITO VIVER A NOSSA HISTORIA, SERA QUE VAMOS PODER? POR FAVOR ME AJUDEM.. ELE TEM 50 ANOS , A EXATAMNETE 4 MESES E COMEÇOU TUDO ISSO NA VIDA DELE, MAS OS SINTOMAS SÃO MAS ANTIGOS. ME AJUDEM OBRIGADA ATENCIOSAMENTE IRENE

Rosi - 24 de janeiro de 2012

Olá, li seu depoimento e realmente ele é animador.
Sou mãe de um menino de 11 anos e há dois ele iniciou tratamento. Ainda não temos a confirmação, que o quele tem é esquisofrenia, a médica acha que por ele ser criança, as coisas ainda podem mudar.
Tenho lido muito sobre esta doença para poder ajudar meu filho, mas confesso que eu estou com medo e assustada. Por este motivo que depoimentos como o seu nos trazem um pouco de esperança.
Obrigada!

maria - 2 de fevereiro de 2012

minha filha é bipolar, e arrumou um namorado que tem esquisofrenia o que fazer, existe algum perigo ref. a esta doença

Lene - 2 de fevereiro de 2012

Boa Tarde!
Acho que meu namorado tem esse disturbio, como posso ajuda-lo.

SALOMÃO SOUSA CARVALHO - 8 de fevereiro de 2012

tenho esquizofrenia e depois que descobri o objetivo da doença ficou mais facil lutar com ela…..o objetivo é levar ao suicidio..póde crer…do mais a 18 anos sem surto com remedios,tomando remedios..o querer não tomar remedios é ja a propria doença se manifestando..abraços a todos e todas ..que deus de paz a todos sempre.tchau.

f. junior - 23 de março de 2012

Eu tenho 22 anos e sou agente de segurança prisional estresado,as vezes carente,as vezes me sinto triste,as vezes fico desesperado,quando vejo noticia “forte” crimes futil,ou noticia de forte de impacto,como violencia e tragedias.As vezes eu fico “surtado” entro em contradição com meus principios,tenho vontade de fazer uma chacina,e depois me matar,e ou sequestra um onibos coletivo fazer todos de refem,solicita a imprensa fala ao vivo em cadeia nacional q penso,que cinto,enfim,nao vou conta minha historia aki pois aki nao e o local certo,eu entrei nesse chat pois queria conhecer a esquezofrenia.gostei de ler essa historia e poder conhecer mais sobre esquezofrenia,amanha vou procura um psiquiatra,pois eu ja estou pessimo,fazendo escandalos onde que ve,tem certeza de que estou com um problema psicologico gravissimo pois vejo como eles me ve,meu comandante pedir para pedi licença medica e fica uns 3 meses afastado +1 mes de ferias total de 4 meses para eu me recuperar…
Gente muito obrigado a todos e me desculpe qual quer coisa.

Sonia Lima - 27 de março de 2012

Tenho 47 anos e há 3 tive, creio, meu primeiro surto e minha primeira consulta psiquiátrica. Desde então tive alguns surtos, que, até conhecer este site, não os entendia dessa forma, pois não fui diagnosticada como esquizofrênica, mas com transtorno percusório. Voltei a tomar a medicação e espero não surtar mais, pois é muito horrível. Não quero mais e nem tenho mais forças para ficar lutando com isto. Gostaria de poder desligar minha mente. Quem pode? São muitos pensamentos e fico tentando encontrar uma resposta lógica, mas as alternativas são infinitas e não encontro a resposta e isto é muito desgastante, estafante. Já senti a maioria (quase totalidade) dos sintomas (positivos e negativos) descritos no site, mas só agora começo a acreditar que realmente estou doente, por isso voltei com a medicação (deveria dizer “sou doente”, já que a medicina diz não haver cura, mas me nego, rejeito isto, pois creio que Jesus levou todas as nossas enfermidades, está escrito!). Talvez um dia me sinta mais encorajada de contar tudo que vivi nestes 3 anos. Daria um livro! São experiências muito estranhas, às vezes sinto-me num mundo virtual, como se eu pudesse determinar o curso desse “jogo”. É estranho, pois as pessoas a minha volta interagem nessa outra realidade (seriam os delírios?). É como se a realidade fosse influenciada pelos meus pensamentos. Creio que um dia vou ter respostas para meus questionamentos, pois não entendo como nossa mente pode produzir coisas externas a nós. Não consigo deixar de achar que há algo de sobrenatural nisto. Deus o sabe.
Parabéns pelo site esclarecedor.
Abçs

Carol Barreto - 6 de maio de 2012

Namoro a um ano com um portador de esquizofrenia, na primeira semana que saimos ele já me contou que possuia a doença. Apesar de muito receio resolvi continuar a relação, pois já estava gostando muito dele e não enxerguei e nem enxergo nenhum comportamento acima do normal. Contudo, fico em dúvida quanto ao nosso futuro, pois não sei se estarei preparada para um surto tenho muito medo da minha relação e do que possivelmente o futuro nos espera.
Torço muito por nós, pois achei uma pessoa extremamente especial, mas apesar desse tempo de relação ainda tenho muito medo.
Queria muito ouvir a opinião de um médico ou alguém que vive uma relação com um portador de esquizofrenia.

eliane - 30 de maio de 2012

ola, quero aqui deixar meu depoimento, tenho 52 anos convivi 28 anos com uma pessoa da qual tive 2 filhos maravilhosos e uma vida infeliz, qdo criei coragem de separar, um ano depois de separada conheci uma outra pessoa com 41 anos e começamos a namorar pense numa pessoa especial, respeitosa amável, era tudo que precisava, mas logo fiquei sabendo através da mãe que era portador de esquizofrenia, e que não aceitava, não queria tomar os remédios, começou uma série de crises, a policia vinha em minha casa sob a denuncia que ele fazia por telefone que eu estava sendo estrupada e muitas e muitas coisas, meus filhos começaram a interferir, estavam com medo dele, mas mesmo em crise tivemos uma conversa séria e consegui leva-lo ao psiquiatra, o qual consultou geodon 80 gm 2x só que dou a medicação escondido porque não aceita tomar as vezes tenho vontade de contar, mas o médico recomendou que não, ele fica muito sonolento já toma há 2 anos, nós casamos vivemos muito feliz, sei que a qualquer momento poderá acontecer uma crise, Deus tem nos ajudado muito, ele é muito inteligente estudioso, esforçado, tem vários cursos, mas não trabalha porque não consegue levantar cedo, é muito alegre passeamos bastante, dançamos, enfim aproveitamos a vida.

alair hilda fernandes - 28 de junho de 2012

Foi muito esclarecedor ler este artigo e estes depoimentos . Muito obrigada.Meu filho tem 32 anos e tem esquizofrenia a uns dez anos ja.No começo foi muito dificil lidar com a doença.Ele começou a ficar diferente la pelos 14 ,15 anos . Era agressivo com as irmãs não aceitava ordens do pai principalmente ate porque meu marido nunca teve muita paciencia com ele.Se juntou com uns amigos não muito recomendaveis e acho que até drogas andou usando ,pois alcool usou muitas vezes e era só quando ele se soltava ficava alegre e disinibido sabe Deus até o que andou fazendo nesse tempo .Estudar nem pensar teve um ano que eu tive ate que obriga-lo a ir a escola pois eu não aceitava que meus filhos não terminassem ao menos o segundo grau. Ai ele se apaixonou por uma menina da classe dele e nunca teve coragem de se declarar aquilo acabou com ele era muito sofrimento.Se passaram anos, ele saiu da aula ai aconteceu uma coisa imprevista depois que a minha filha mais nova ja tinha dezessete anos eu engravidei, ja com 42 anos e todo mundo ficou muito preocupado por causa da idade e ele tambem, acho que isso acabou desencadeando pois ele andava muito apegado comigo. Um ano depois mais ou menos começaram os sintomas ,talvez foi ate ciumes ,pois o bebe virou o centro das atenções e nós não nos preocupamos muito com isso pois eram todos adultos já, nesse tempo ele começou a namorar outra menina e na epoca meu marido não gostou do fato dele estar com ela no quarto o tempo todo e sem tato nenhum chamou uns nomes pra menina e proibiu a vinda dela.Mas nesse tempo ele ja tava obsecado,não parava de andar atras dela e até a encomoda-la visto que ela não o quis mais. dai foram acontecendo uma série de coisas que culminou na internação dele numa clinica psiquiatrica depois de muito sofrimento muitos traumas,meu marido não aceita a doença dele até hoje ,depois de uma briga muito violenta entre os dois meu marido colocou ele para fora de casa ,dai ele foi morar em pensões e finalmente de favor em uma casinha que um irmão meu arrumou pra ele sem conforto nenhum no inicio viveu nessa casinha sem banheiro,chuveiro nada ,sozinho so com a companhia de Deus e muita oração da minha parte entreguei-o nas mãos de Deus e dava toda assistencia, medico,alimentação e muito apoio, mas morando 20km longe dele ,foram muitas dificuldades principalmente para ele e muitas preocupações para mim,muitas vezes ele me ligava no meio da noite quando vinha pensamentos de morte de medo e eu mesmo a distancia conseguia traze-lo de volta a realidade, com palavras somente e Deus acima de tudo.depois que a casinha tava toda arrumadinha ele ja tinha a companhia de um cachorro tava bem mais equilibrado arrumou tambem uma companheira .Hoje eles estão morando juntos na casa dela inclusive os pais dela pois ela é filha única e os pais dela o adotaram com muito carinho deram a ele a familia que ele perdeu quando meu marido o expulsou de casa.Hoje nós podemos dizer depois de tanto tempo que a doença esta sobre controle, ele ainda tem pensamentos recorrentes de perseguição, dorme muito, é desconfiado mais é muito meu amigo e conversa sobre tudo que sente e eu estou sempre aconselhando tirando de cabeça procurando um novo médico um novo medicamento uma nova terapia e vamos levando graças a Deus a esposa dele é muito calma muito companheira e parece gostar muito dele isso que importa depois de tanto sofrimento posso dizer que o pior ja passou . Me perdoem Por esse desabafo ,nunca tinha falado sobre isso com ninguem mas lendo os depoimentos, aqui destas pessoas me deu vontade de escrever. Me desculpem e obrigada .o Caminho para nós foi Deus, tenho certeza disso.

cristiane yumi - 22 de julho de 2012

ol”tenho esquizofrenia a dez anos,e acredite , estou melhor, gracas ,aos medicamentos,e principalmente com o apoio familiar, apesar de sermos apenas quatro,e ainda nao ter me levado a sério , a minha irma mais nova,sempre ,e até hoje me tras a realidade.pois o que nos escutamos nao passa ,de vozes nos criticando,e dando medo,e realmente querendo até mesmo nos levar a morte.pois acredite nos acreditamos realmente no que as vozes falam,e por isso o sofrimento.,e as brigas .mais nada melhor que o apoio da familia ,o bom uso do tempo como,academia ,estudos,e até mesmo aprender a cantar, para nos alegrar , e principalmente nos manter ocupados para que a vozes nao nos vencam.

Luciana Rodrigues - 29 de agosto de 2012

Oi me chamo luciana ,desde criança tive dificuldades para dormir ,minha mãe nao me levou no medico ,entáo sempre dormia mal ,eu via meus pais e minha irmã dormindo e chorava no banheiro pq queria dormir tbm ,fui crescendo entrei pra escola ,acordava cedo pra ir pra escola ,e sempre chegava atrasada na escola ,pq tinha dormido mal ,sempre fui uma menina timida e com poucos amigos ,mas era carinhosa com eles ,me relacionava bem com eles ,apartir dos 15 anos comecei a me sentir mal e achava que uma tia minha nao gostava de mim ,pq minha avó disse que ela falava mal de mim ,então fiquei com mania de perseguiçao,sempre que via ela me sentia mal ,medo ficava nervosa ,ansiosa ,e quando ficava sabendo que ela vinha visitar minha avó ,eu ficava nervosa naquela noite eu praticamente nem dormia ,mas o tempo foi passando com 18 anos ,comecei a trabalhar como baba ,consegui superar a magoa da minha tia ,mas sempre ficava desconfiada que ela falava de mim pelas costas ,e uma prima minha viu ela falando mal de mim ,entáo a minha magoa só aumentava ,fiquei um ano trabalhando de baba ,depois fui trabalhar como atendente de uma loja ,ai eu pegava metro cheio ,e ai ms sentia mal ,meu coraçao disparava ,eu ficava tonta ,parecia que ia desmair ,pedia pra alguem do metro me ajudar a descer na estaçao pq ficava tonta ,ai começei chegar atrasada no trabalho ,e fui mandada embora ,ai fiquei mal ,só piorei dentro de casa ,nao saia sozinha tinha medo ,deconfiei que estava com sindrome do panico ,mas nao contei pra minha familia ,nem procurei ajudar ,ai os anos se passaram e eu ,quando completei 25 anos eu tive o 1 surto de esquizofrenia eu me caei com 21 anos e tive um casamento muito conturbado muitas brigas ,discursoes ,meu marido ficou agresivo e me batia ,eu acho que foi isso que me fez piora da doença ,eu tenho casos na familia de esquizofrenia ,minha vó paterna e meu tio tinha esquizofrenia ,mas talves s eu tivesse me casado com um homem carinhoso e calmo talvez nao tivesse desenvolvido a doença ,nao sei ,pq o medico disse queé hereditario ,então nao sei ,as pensso que foi culpa dele eu ter surtado ,tive desconfiança de traiçao dele ,e começei escultar vozes dizendo que ele estava me traindo as vozes me xingava de corna ,e outros palavroes,escultava muita humilhaçao ,mas eu fiquei queta nao disse pra minha famila que estav doente ,fiquei 2 meses escultando as vozes ,mas elas foram aumentando e fui piorando ,comecei a ver coisas ,tipo demonios dentro de casa olhava pra janela e via rosto feio de monstro e nao aguentei ,02:00 da manha fui pra casa da minha mae ela percebeu que eu nao estava bem ,eu aparei de falar ,e só ficava ouvindo AS vozes e perdi a consiencia sai da realidade e fiquei no mudo da fantasia ,achava que me cominicava com as pessoas atraves do pensamento ,que as pessoas da tv conversava comigo ,mas eu nao repondia com a voz ,eu respondia com a mente enfim passei muitas coissa ruins achava que meu padastro queria me envenenar ,entã´quase nao comia ,pq antes quando eu era adolescente ele brigava comigo alias foi por casusa dele que me casei ,rapido ,para me livrar dele ,mesmo sabendo que meu noivo era agresivo ,sou magra ,peso 50 kl ,mas fiquei pesando 42 kilos pq parei de comer ,corri na rua ,descalça hoje tenho vergonha de sair na rua por causa dos vizinhos ,pq ficam me olhando tenho vergonha e alguns falam piadas quando passo na rua ,enfim ,hoje estou com 29 anos ,ja se passaram e eu estou querendo engravidar minha irma esta gravida e minha prima que tem minha idade tbm esta gravida ,eu tenho vontade mas tomo quitiapina e bromazepam de 6 miligrama ,mas tem noite que tomo 2 comprimidos de bromazepan de 6 milgrama ,pq a insonia é forte ,se eu nao tomar nao durmo fico anoite toda acordada ,vejo na bula que gravida nao pode tomar esses remedio eo medico disse que meu filhos pode ter a mesma doença que eu ,ja pensei em adotar ,mas meu marido nao quer ele disse que prefere ,ficar sem filhos do que adotar um ,eu fico me sentindo sozinha acho que um filho ia me ajudar ,eu ia ter uma ocupaçao ,me sinto uma frcasso como mulher pq nao posso ter filho tomando eses remio corro o risco dele ter problemas ,de ser mal formado ,e tbm nao trabalho ,fico só em casa arrumo a casa e fico procurando amigos na internet ,alguem que me faça esquecer meus problemas ,enfim é uma luta diaria ,tem dias que nao quero me levantar da cama ,por causa dos efeitos collaterais do remdio ,e pq fico deprimida pq dependo do meu marido ele me trata mal ,nao é carinhoso comigo eu me sinto muito só mesmo casada ele sai e me deixa sozinha em casa, e quando esta em casa ,fica na internet falando com outras mulheres ,nao sei oq vai ser di mim ,no futuro pq os remedios vao perdendo o efeito e acada vez meu organismo pede mas estou viciada em calmantes ,mas con tudo isso eu confio em DEUS e sei que ele nao vai me desamparar ,e vai cuidar de mim .,ja pensei em suicidio varias vezes ,mas é por causa de DEUS ,QUE ME dar forças a cada dia para superar essa doença ,que os medicos dizem que nao tem cura ! mas se DEUS QUISER ELE PODE ME CURAR PQ ELE É O Deus do impossivel .nao estou indo na igreja ,mas sou evangelica ,mesmo nao indo confio em DEUS E DEIXO NAS MAOS DELE A MINHA VIDA E MEU FUTURO , GOSTEI DE ENCONTRAR ESSE BLOG ,E PARABENIZO QUEM FEZ PELA INICIATIVA ,FIQUEM COM DEUS E FORÇA !! PARA TODOS ENQUANDO NOS ESTIVERMOS VIVO A ESPERANÇA PARA NOS!!!!!!!!!!!!!!

gina - 9 de novembro de 2012

Lendo seu depoimento constatei que o problema que trato é na verdade esquizofrenia,eu achava que tinha depressão,mas todos os remedios que tomo é para esquizofrenia e tudo que sinto parece muito com o que voce relata,só que não dá para avaliar a intensidade dos sentimentos dos outros.Eu imagino todos os dias que alguem esta tramando para matar meu filho mais velho e eu fico desesperada tenho vontade de ligar para a policia mas tenho medo que não acreditem em mim porque meu filho não tem problemas com ninguem,trabalha e é um bom rapaz.Eu fico ligando pra ele o tempo todo e mandando mensagem para celular.Tento esconder minha angustia mas as vezes não consigo porque fico tremendo e com ansiedade.
Todos os dias quando acordo (só durmo com remedios ) é uma luta pra levantar e enfrentar o dia,estou no mesmo trabalho a mais de 30 anos e por isso não me importo de ter que ir ao trabalho.Mas se tenho que ir a um lugar diferente,começo a suar frio e passo muito mal angustiada.Desde os 7 anos faço tratamento nunca tive uma convulsão mas derrepente eu me dava conta que 3 dias havia passado e eu não tinha percebido é como se eu tivesse sido desligada,por toda vida tomei remedios mas nunca sofri tanto como sofro hoje,vejo vultos em casa,fico assustada mas não falo nada para meus filhos e marido.Minha vontade é morrer para tudo isso acabar,não consigo descansar,tenho vontade de por meu filho de volta na barriga mas ele não me aguenta mais.Acho que sou esquizofrenica,vou perguntar ao meu medico.

veruska araujo - 18 de novembro de 2012

oi meu nome é veruska,tive esquizofrenia aos 16 anos,agora eu estou com23 anos,eu falava muito mal da minha mae para as pessoas que nem conhecia direito falei muita historia da familia.e eu acho que ela soube e o pessoal até gravou alguns episodios.entao deviam ter colocado até na internet agora eu apareço até em tevelisao.por causa do que eu colhi do passado a familia do meu pai e alguns da minha mae tem contato coma globo
entao tem um computador ou camera me vigiiando24 horas por dia
e até uma camera que enfia dentro do corpo.
o fetiço vira contra feticeiro.
entao eu tenho vergonha das pessoas por causa do passado.tenho medo de falar besteira.
de me abrir demais e ficarem preocupados comigo achando que tenho problemas.
eu penso que todos estao me vigiando qualquer um.eu ouço vozes dos garotos que fiquei do passado.das minhas amizades de recife e do colegio gomes freire.eu tomo resperidona de 3 mg.e como tive surto 3x isso comeu meu cerebro e nao lembro do presente so passado.bjus

veruska araujo - 18 de novembro de 2012

nao se preocupem agora meu remédio faz efeito sou calma,bem ativa,interligente.

isaque - 26 de novembro de 2012

voce sofreu muito pelo que eu lie em sua estoria mas voce pelo menos nao se entregou tiro o chapeu pra voce voce e um grande exemplo de esquizofrenia voce e um grande lutador epior que voce sofreu mais tempo do que eu e conseguiu superar e eu to quebrado escutando vozes penso que as pessoas leem minha mente quando olhpm em meus olhos escuto tramas das pessoas contra mim eu queria ter sua força por que nao aguento e to pessando em me suicidar tomando veneno mais voce pra mimi e o cara

bruna - 7 de dezembro de 2012

parabéns, estou muito feliz com a sua luta e força de vontade! nÃo desista nunca!

Leila - 19 de dezembro de 2012

Bom li os comentários e venho pedir ajudar pois namoro uma pessoa com esquizofrenia tem 2 anos e sempre que ela esta em crise ele termina comigo , mais quando passa a gente volta , isso tem me machucado demais sabe, pq o amo muito gente preciso muito de um conselho !!

MIKAEL - 23 de dezembro de 2012

OI ..na minha infancia sempre fui super protegido pela minha pq nasci com labio leporino e devido a isso passei por varias cirurgias durante a minha vida..eu tenho quatro primos q cresceram comigo e alguns tios q me zuavam muito ..e eu sempre achei q era por causa do problema q eu tinha como labio leporino me sentia feio ..ai chegou a adolescencia ..saia normalmente bebia com meus amigos e até usava drogas RARAMENTE ..mais nao conseguia ser eu msm ..tinha muita vergonha de fazer novas amizades..e de ser mal tratado por alguem…tinha pensamentos acelerados ..e em minha casa havia muitabriga ..e agente nao se dava bm ..havia muito stress. E futurmnete pressao dosmeus pais ..para mim seguir um rumo na vida…na adolescencia para agravar os meu complexo de se sentir feio ..veio as espinhas..e aos poucos fui desenvolvendo doença por stress e complexo .mais nao tinha chegado a ter um surto ainda.aos 19 começei a trabalhar ..pq queria fazer uma cirurgia ..chamada ortognatica e meu pai nao tinha condiçao de pagar ..só q la tbm o ambiente era muito estressante mais eu nao queria abrir mao do trabalho pq precisava fazer a cirurgia para me sentir melhor..com mais ou menos um ano e meio começei a pirar ..devido a problema em minha casa no trabalho e com meu complexo ..e tbm pq os outros me zuavam muito ..começei a ir na oab nos meus dias de folga e certo dia imaginei q uma advogado me gravou falando mal sobre a empresa ..e até hj tenho certeza q isso ocorreu ..e q a intençao dele era me prejudicar junto com meus chefess..ai começei a desconfiar de todo mundo no meu serviço ..desconfiava q eles iam me processar de um jeito de outro ..tinha muita desorganizaçao no pensamento e muitas outras coisas q nao me lembro mais ..graçais a deuss ..ai tive um surto ..e devido a pensamentos errados pedi a conta ..e começei a pirar mais e mais ..nao parava de ir em advogado ..a pensar q todos queriam me prejudicar ,.estragar meu futuro ..cheguei a pensar q meu vizinho ia armar trafico para mim ..cavando droga em minha casa e q junto com outros ..tavam me taxando de traficante por isso comprei umas cameras e coloquei no meu quintal ..isso ocorreu depois de muita briga com o meu pai ..me deixou aliviado ..((concordar com alguem q esta tendo delirio ..ajuda a pessoa ..por mais absurdo q seja ..por exemplo ..se a pessoa dizer ..tem alguem embaixo da mesa e nao tiver ..vc deve falar ..tem entao vamos investigar o q esta aconteçendo )))..me caluniando e botando denuncia falsa em meu nome ..escutava vozes ..de pessoas me xingndo ..deboxando ..e isso piorava qdo eu pegava no telefone ..achava q a minha gerente tinha colocado detetive atras de mim para tentar me incriminar de um jeito e de outro..acreditava nos meus pesadelos como se fosse real..tinha uma imagem na minha cabeça de um cara entrando em minha casa e colocando equipamentos do fbi ..para me vigiar ..e meu pai liberando a entranda desse homem ..desconfiava até msm do meu pai e da minha mae q estava me ajudando ..cheguei a ir pra sao paulo por duas vezes sem meus pais saberem ..por dois motivos um pq tinha comprado um play station de uma migo do meu pai …sem nota fiscal esse video game veio ..ai ja assoçiei a “trama ” do pessoal d loja com o video game ..pensei q eles iriam me acusar de roubo ja que ..o mesmo vendia la na loja ..fui atras dessa notinha la em sao paulo gastando todo o meu dinheiro da minha cirurgia q era meu sonho na minha paranoia ..cheguei a ofereçer 400 reais em uma loja para q eles me dessem a notinha ..e gastei tanto dinheiro com tudo essa besteira q nao realizei meu sonho ….ai meu pai me levou a um psiquatra q me receitou risperidona 2 mg …só q minha mae me levava a igreja e num irmao de igreja ..estes me falavam q eu iria ser curado e q nao precisava tomar o remedio era só confiar com muita fé em deus q conseguiria ser liberto ..eu acredito em deus e sei q vou ser curado mais no começo isso atrapalhou ..pq um lado o medico e meus pais querendo q eu tomasse remedio do outro a religiao dizendo q nao precisava ..ai nao tomava os remedios direito ..por isso demorou quase uma ano para mim sarar ..ia na igreja mais nao me relacionava muti .no meio do surto começei a namorar ..falava cada coisa para minha namorada ..brincava muito com ela ..sei la pq terminou comigo ..acho q ela percebeu eu nao estava bem ..começei a achar q davam dinheiro para ela ficar comigo e q aquela caixa de maquiagem q ela tinha..ela tinha ganhado da minha ex gerente ..a ql citei para tentar pegar meus dados e me processar sei la ..me envenenar…e nisso brigas e mais brigas em casa…ambiente pesado..cheguei a achar q o vizinho tava jogando veneno na caixa d agua para envenenar o pessoal da minha familia e q ele gravava todas as brigas de minha casa para mostrar para a vizinhanaça ai com isso ..eu saia na rua para comprar algo e achava q os outros estavam todos sabendo da coisas q aconteçia em casa ..cheguei a por um tampao de ferro na unica fresta q tinha no portao ..e tbm achava q minha casa estava sendo vigiada pela policia ..depois de certo tempo começei a tomar o medicamento corretamente ..ai começei a melhorar saia com meus amigos ..começei a fazer faculdade pelo fies ..mais nao deu certo pq o medicamento me deixava muito sonolento e tinha q levantar muito cedo para ir a faculdade ..dentre outros motivos ..me mudei para sorocaba e começei a morar em uma republica ..e hj estou aque a quase um ano entre trancos e barrancos ..mais estou vivendo melhor do q antes..porem muito incomodado com a ideia de meu pai ter q bancar ..mais estou lutando ..primeiro qro fazer minha cirurgia ..achei outra soluçao cirurgica ..mais barata e qro fazer é só eu fazer essa cirurgia q começarei a me bancar sozinho meus pais ja estao cansados de me bancar ..mais queria q eles entendessem q eu tenho um problema psiquiatrico q tenho superar todo dia ..ja q todo dia me sinto mal durante algumas hors ..seja por causa do remedio ou por causa dos delirios ..tem tantas outras coisas q tinha q contar ..em todas as reas de minha vida ..mais nao da consegui conta 10 por cento dos meus problemas q eu tinha e tenho no dia a dia ..atulmente estou pensando q ninguem gosta de mim em minha familia ..por isso estou acorddo até agora navegando na internet ai resolvi fazer esse depoimento …
MAIS E PAI SAIBAM Q EU ME ESFORÇEI MUITO TANTO NO CURSINHO PRA PASSA EM VESTIBULAR QTO EM UM CONCURSO Q ESTUDEI ..E NAO QUERIA MAIS OUVIR DIZER Q VCS GASTARAM MUITO DINHEIRO COMIGO ..ME SINTO UMA BOSTA COM ISSO ..POR NAO TER CONSEGUIDO ..JA Q A DOENÇA VEIO SE INSTALANDO PROGRESSIVAMENTE DURANTE ANOS SEM EEU SABER ATÉ EU SURTAR ..JA Q ISSO NAO É DE UM DIA PARA O OUTRO CERTO ?? APRESENTAva DIFICULDADE DE APRENDIZAdo..devido aos pensamentos desorganizados q ja tinha ..SEM MAIS PRESSOES EU AINDA IRIA ACERTAR O CAMINHO ..MAIS TEM Q TER PACIENCIA OK??EU AINDA VOU PAGAR VCS POR TUDO

Regina - 8 de janeiro de 2013

Há dois anos descobri que tenho esquizofrenia. De forma leve, mas que me faz surtar de vez em quando. Acredito que desde a adolescência tenho esta doença. Tenho mania de perseguição, acho que todos estão me medindo, querendo saber os meus pensamentos, me repreendendo, falando de mim. A coisa fica tão feia, que surto agredindo a mim mesma, autoflagelando. Passei por vários psiquiatras, porque eu tinha certeza de que alguma coisa errada estava acontecendo comigo. Só que nenhum deles resolvia meu problema. Um chegou a dizer na minha cara que era frescura minha. Resolvi, há dois anos, ir ao Instituto de Psiquiatria do HC de São Paulo. Foi lá que me diagnosticaram. Foi lá que minha vida tomou um rumo. Pena que demorou muito tempo. As sequelas sociais são profundas, porque todos meus parentes me tratam como louca. Na verdade sou, mas tenho condições de levar uma vida normal, trabalhar, me relacionar, fazer meus afazeres. O preconceito é enorme. O que ninguém quer saber é que o esquizofrenico e sua família sofrem com a doença, assim como alzaimer, parkinson, câncer… E tantas outras doenças. Só que a esquizofrenia devia ser mais divulgada, mais esclarecida na mídia, para que as pessoas não sofram tanto com a doença, e que procurem ajuda médica DE QUALIDADE, para tratar precocemente.

ana maria - 22 de janeiro de 2013

sou mãe do fabiano,36 anos,esquizofrenico ha 18 anos.as melhoras existem no sentido da lucidez,por alguns periodos.o momento atual esta bem complicado com muitas alucinaçoes.as medicações parecem não fazer muito efeito nessas horas.resta pedir a Deus e esperar dias melhores.a experiencia me diz que esses dias melhores virão e a fe me ajuda a vencer.a esquizofrenia e uma doença que maltrata muito o doente e a familia,pois ate hoje não conseguimos estabilizar totalmente o fabiano.são sintomas muito ruins,como apatia,baixa auto estima,descuido pessoal,etc…a nossa alegria e te-lo conosco,apesar de todos os cuidados que requer,agravados pela obesidade adquirida,segundo o medico,por medicação que abre o apetite.apesar de tudo isso ,nos sentimos felizes em te-lo tão amoroso e tão amado por nossa familia.parabens a quem diz que venceu esta doença,porque para nos parece um inimigo invencivel.resta esperar um milagre que so Deus pode fazer,ou que surja alguma luz no fim do tunel,vinda de descobertas cientificas.que Deus tenha misericordia dos esquizofrenicos e suas familias.

adriana gonçalves - 19 de maio de 2013

ola meu nome é adriana. tenho 26 anos, sou casada e tenho uma filha.minha mae tem esquisofenica. Ela tinha muitos surtos, acho q desde que conheço ela tinha essa doença, mas não entendia e por isso tinha medo dela, não queria estar perto dela, na verdade eu a regeitava. mas hoje eu cuido dela, levo -a ao medico, estou junto sempre. mas ela ficou muito tempo sem fazer o tratamento, e acredito que por conta disso, a doença se tornou muito mais cronica, cronica mesmo. hoje ela toma os medicamento (tioridezina e biporideno) , ja esta tomando á alguns meses e acho que esta fazendo bem a ela, porem ela dorme muito, tem má disposição p fazer as coisa( as vezes ela até que fazer, se esforça e tal, mas não consegui) e eu fico preocupada porque vejo os casos, e as pessoas consegui retorma a vida normal e tal. e ela não consegui fazer uma caminhada, preferi ficar em casa, fazer suas tarefas qdo dá e só. as vezes acho q é porque mora sozinha e fica triste por conta disso ne. enfim, e lendo essas historias e fazendo algumas pesquisas, as vezes acho que tenho sintomas dessa doença, tipo: falo muito sozinha, repondo meus pensamentos, as vezes tenho impressão que as pessoas não gostam de mim, fico triste sem motivo, choro pela por ter lembrado de algo que me fez muito triste ou mal (perdas de amizades por exemplo)enfim. mas tenho muito medo de ter essa doença,de ir ao psicologo sei lá, talvez por conta da minha mae e tal. será que tenho essa doença? me ajudem por favor.

Karol - 6 de novembro de 2013

Olá Pessoal
Eu namoro um esquizofrenico ha 10 meses, ele tem 21 anos no inicio era tudo Normal mas depois d um tempo ele começou a ter crises mas eu não sabia q ele tinha essa doença o pior é q nem ele sabia que tinha a doença.
Eu O Amo Muito mas muitas pessoas não intendem a doença, e apenas veem o esquizofrenico como uma pessoa bipolar. Hoje eu dou o Maior apoio pro meu Namorado ele sabe q pode contar comigo pra TUDO !
A pessoa portadora dessa doença não quer chamar a atenção de ninguem, não quer que as pessoas tem dó elas apenas precisam q as outras pessoas o Compreendam !!!!
Hoje ele faz tratamento e vive como uma psoa Normal !
E pra vc que tem um relacionamento com alguem portadora dessa doença eu digo, Não é facil, mas com o Amor Tudo é Possivel. O Amor e o carinho de uma pessoa q porta essa doença é muito intenso !
então se vc não Ama de Verdade não prossiga um relacionamento pke eles se magoam e sofrem com Muita Facilidade !

rui trindade - 29 de abril de 2014

ola sou o rui, tenho 45 anos, e vivo em hipnose constante 24 h dia,qualquer
pessoa de qualquer parte do mundo,me consegue ler a minha mente e me
hipnotizar,penso ser unico no mundo,e peço ajuda pk estpu cponstantemente
24h dia a ser hipnotizado, e qulquer cidadao do mundo inteiro me pode ler
qa mente e me hipnotizar me leem a mente etc,,..
gosdtava de vossa ajuda visto que a medecina nao me reconhece como algo de
natural, se eu for unico no mundo, penso que a medecina e a ciencia p+odem
dar um passo importante,para bem da humanidade.
gostava de falar com vc, ao telemovel,para me ajudar e para darmos um passo
importante na medecina e do comportamento da mente.terei todo prazer em
falar com alguem ao telemovel.964263649
por favor, nao negue nem questione, esta minha menssagem de apelo e ate de
socorro.
assim como pos mentalistas leem a mente de qualquer pessoa, da memsma
maneira qualquer pesssoa ,le a minha mente.,,este é o segredo,obrigado
comprimentos. terei todo o prazer de estar com vcs todos e todoas 1 por 1,
,e irao hipnotizar e ler a minha mente, sem qualquer estudo ou curso,em
todo mundo,por todas as pessoas, espero a vossa resposta.brig

surfsexteam@mail.pt
telemovel.964263649
sos please help me!!!!!!

Josiane tavares - 27 de setembro de 2014

Só casada com um esquizofrênico mais numas dessa cruzes dele ele disse que não me quer mais o que eu Fasso não sei se ele vai voltar atraz NP que ele disse o que Fasso me dêem uma dica se ele vai esquecer tudo que disse e voltar pra min to sofrendo muito por falta dele e pela doença me dêem uma resposta

Amanda - 12 de dezembro de 2014

Olá, eu namoro um homem de 27 anos que tem esquizofrenia.Ele atualmente esta em crise, a família dele e a minha quer o meu afastamento dele, pelo fato de terem medo de um agressão vindo dele contra mim.Mas eu o amo, e quero muito ajuda-lo.Estou sofrendo por ter que me ausentar da vida dele, justo no momento que ele esta mais precisando de mim. Uma pessoa esquizofrênica é capaz de ter um relacionamento saudável? Eu sonho muito com nós dois. Eu estou desesperada, a minha família acredita que ele não tem condição de constituir uma família e ter um relacionamento. O que eu faço? Obrigada e Parabéns a todos pela superação.

Add your comment