Blog

Blog

Melissa: de volta aos trilhos para mudar outras vidas.

Editor do Portal 10 de outubro de 2016 Blog, Depoimentos 6 comments
featured image

Melissa Fundakowski, 38 anos, não se lembra da época em que viveu sem a esquizofrenia. Ela tinha apenas 4 ou 5 anos, quando os sintomas da doença vieram à tona – paranóia e pensamentos delirantes. Eles se intensificaram e, no momento em que ela se aproximou de sua adolescência, ela repetidamente começou a se cortar. A primeira de muitas internações se seguiram.

“Eu tinha delírios muito ruins sobre a minha família, sobre os meus pais serem cientistas loucos que faziam experimentos em mim”, diz ela. Acreditando que estranhos a ficavam espionando, ela fez uma barricada na janela de seu quarto com lenhas da chaminé.

Depressão e transtorno obsessivo-compulsivo foram seu primeiro diagnóstico. “Minha mente estava tão confusa”, diz ela. “Eu estava paranóica. Meus pensamentos obsessivos começaram a sair. Eu fiquei com medo de que os professores fossem todos contra mim e todos eles formavam uma coalizão. Eu achava que os diretores estavam sempre me observando. Foi horrível!”

Foi um pesadelo por duas décadas, com tentativas de suicídio, uma sucessão de casas de grupo de apoio (casas em que voluntários, na maior parte pacientes recuperados, oferecem apoio a outros pacientes), médicos e hospitais. “Eu tomei todos os remédios antipsicóticos que existe”, diz ela.

E, então, cerca de um ano atrás, Melissa encontrou a vontade e a disciplina para construir uma nova vida.
“Eu decidi mudar”, diz ela. “Foi minha escolha. Minha escolha para mudar e se tornar uma pessoa melhor. A minha escolha para ficar bem na minha recuperação.”

Com uma nova convicção, ela procurou apoio de novas fontes e de sua família. Ela se aproveitou de uma nova classe de medicamentos e de uma abordagem cada vez mais popular de tratamento, o da recuperação pessoal (do ingles, personal recovery), que envolve o apoio e a orientação de outras pessoas que vivem de forma bem sucedida com sua doença mental (chamada de pares, do inglês “peer”), que foram treinados para compartilhar sua sabedoria e seu encorajamento com outros pacientes.

Após terem dado a ela tudo o que precisava, Melissa é hoje a prova de que a recuperação é possível, dizem aqueles que a conhecem. Ela tem um trabalho voluntário, renovou suas relações familiares, está estudando para ser uma especialista em recuperação para apoio aos seus pares, e é uma líder em seu grupo de apoio e na comunidade.

Ela ri ao descrever uma medida da sua mudança: fotografias de anos atrás a lembram de uma época sombria de sua vida. “Quando eu olho para elas, eu era como, oh meu Deus!, um ser tão lamentável…”

McNulty, que tem transtorno bipolar, é um dos pioneiros do movimento de recuperação pessoal e, assim como Melissa, provou da sua eficácia.

“Nós, do Centro de Recuperação e Bem-estar Oasis (https://www.facebook.com/mhcarioasis/) conhecemos Melissa há anos e assistimos a ela literalmente florescendo”, diz ele. “Ela certamente não está “curada”- a maioria de nós que vive com uma doença mental não estamos – mas ela está caminhando com sua vida. De uma importância fundamental, ela encontrou um senso de propósito, uma vocação para trabalhar com outras pessoas que vivem com transtorno mental. Nessa função ela trouxe esperança e é um exemplo vivo, real, de uma recuperação em ação. Nós a vemos como um modelo”.

Vickie Walters, diretor associado do The Providence Center, encarregado dos serviços residenciais para os pacientes desabrigados, diz que desde que ela se estabeleceu em seu grupo, Melissa “tem sido capaz de compartilhar seus dons com seus pares, tais como tocar piano durante as atividades do grupo. Ela aumentou sua auto-confiança, independência e participação ativa na comunidade, desenvolvendo a capacidade de processar e lidar melhor com seus sintomas”.

O modelo de recuperação pessoal tem se mostrado tão bem-sucedido para as pessoas que vivem com doenças mentais que o centro pretende aumentar “dramaticamente” a sua equipe com pacientes recuperados que sirvam de pares aos demais em recuperação, o que agora são cerca de meia dúzia, diz Owen Heleen, diretor de estratégia do The Providence Center. “Os pares na área de dependência química e de saúde mental têm agora a mesma certificação”, diz ela. “Há 85 pares certificados em Rhode Island. Havia 62 em dezembro de 2015 e há três treinamentos previstos neste ano para os pacientes interessados em se tornarem especialistas em recuperação de pares.”

Tudo agrada Melissa, que, no espírito de recuperação, espera ajudar outros a dar um golpe contra o estigma da esquizofrenia e de outros transtornos mentais.

“Minha vida está indo tão bem agora”, diz ela. “Eu estou consciente de mim mesma. Estou me reafirmando. Estou cuidando de mim mesma!”

E ela encontrou uma missão maior.

“Eu quero retirbuir lá na frente e dizer ‘Olha, eu fiz todas essas coisas terríveis por toda a minha vida e agora eu estou de volta aos trilhos. Finalmente eu estou fazendo o que eu preciso fazer!’ E eu espero mudar a vida de outras pessoas com a minha história.”

Fonte: traduzido do site Providence Journal

6 comments

jenniffer - 30 de dezembro de 2016

entendo perfeitamente,, acredito que nunca entenderam o que passamos na fase da crise, luto diariamente pra nao cair na depressao, pois tive perdas, e hoje veio a tona tantas lembranças de um grande obscuro que vivenciei, hoje tento vencer minha rotina com tantas bagagens do que ficou.

vanessa duarte ferreira - 14 de fevereiro de 2017

Estou namorando uma pessoa com esquizofrenia… o site me ajudou muito. Obrigada.

Giovanna - 18 de junho de 2017

Tenho esquizofrenia e ainda to na fase de teste de medicamentos.atualmente tomo olanzapina, mas se meu dia for muito agitado, tenho crises: alucinações visuais e auditivas. Meu noivo tem me ajudado bastante qnd fico assim, ao contrário do meu ex marido que me abandonou qnd soube do meu diagnóstico. Hoje, me sinto bem melhor, comparado há 1 ano atrás quando tentei suicídio, numa das crises auditivas, voZes mandando eu me matar, que se eu não me matasse mataria alguém da minha família.hoje tenho consciência de que isso é só fruto da minha cabeça, que essas coisas não existem e são sintomas da doença. Da pra viver normalmente com a esquizofrenia, se apoiando e tendo apoio das pessoas que te amam.

Ana - 19 de julho de 2017

Os transtornados precisam disso, estímulo, um pilar que os leve a pegar o fio da meada e retomarem o curso de sua vida. Não é facil, é uma luta, mas esforço para mudar o foco é preciso. Experiencia muito boa, a de se voluntarizar para ajudar outros. Mesmo claudicante, a vida de um transtornado não pode se resumir a tomar remédios, comer e dormir. Mas é preciso estímulo e não se acomodar.

Márcia Maria - 30 de agosto de 2017

sou diagnóstica com esquizofrenia há cinco anos ,tomo 4 tipos de medicações,sou Técnica de Enfermagem,trabalhava para uma grande rede hospitalar no DF ,fiquei afastada pelo INSS por dois anos quando voltei a trabalhar fui demitida,me falaram para mudar de profissão.ao contrario de muitos não quero me aposentar ou ficar inútil não combina com minha pessoa,estou no terceiro ano de Enfermagem e pretendo me dedicar mais na minha faculdade.sou casada tenho uma filha .costumo dizer que eu era doente antes do tratamento pois sei que não tem cura ainda ,mais estou estável e é isso que me importa .não deixei minha vida parar .esse blog é maravilhoso.

Márcia Maria - 30 de agosto de 2017

sou diagnóstica com com esta patologia há cinco anos ,tomo 4 tipos de medicações,sou Técnica de Enfermagem,trabalhava para uma grande rede hospitalar no DF ,fiquei afastada pelo INSS por dois anos quando voltei a trabalhar fui demitida,me falaram para mudar de profissão.ao contrario de muitos não quero me aposentar ou ficar inútil não combina com minha pessoa,estou no terceiro ano de Enfermagem e pretendo me dedicar mais na minha faculdade.sou casada tenho uma filha .costumo dizer que eu era doente antes do tratamento pois sei que não tem cura ainda ,mais estou estável e é isso que me importa .não deixei minha vida parar .esse blog é maravilhoso.

Add your comment