Blog

Blog

Recuperação de um Transtorno Mental Grave – Programa Ligado em Saúde

Editor do Portal 5 de julho de 2016 Blog, Multimídia 7 comments
featured image

O psiquiatra Leonardo Palmeira, autor do livro Entendendo a Esquizofrenia, criador e editor do Portal Entendendo a Esquizofrenia, fala sobre um novo conceito de recuperação, o de recuperação pessoal, que parte da perspectiva do paciente e inclui uma visão mais otimista e esperançosa dos transtornos mentais, como esquizofrenia e transtorno bipolar, o que hoje é considerado essencial para a recuperação. Ele enfatiza que é importante que pacientes e familiares compreendam melhor a doença, aceitem melhor suas vulnerabilidades e se engajem num processo que envolve a capacitação para enfrentamento do problema, aumento da resiliência através de terapias e grupos de suporte e, finalmente, o empoderamento, encarando que é fundamental que pessoas envolvidas tomem para si o desafio de se recuperarem. Pessoas mais empoderadas têm maior chance de aderir ao tratamento, de buscar uma vida mais saudável, de fazer melhores escolhas sociais e de ter atividades sociais e ocupacionais mais significativas. Tratamentos médicos e psicossociais precisam incorporar este novo conceito para se abrirem mais para a opinião dos pacientes e dos seus familiares, compartilhando mais as decisões, compreendendo melhor os objetivos do paciente e trabalhando mais em pareceria para conquistar os objetivos traçados por eles.

7 comments

Ana Cecília - 5 de julho de 2016

Aproveitando o gancho sobre a necessária contrapartida social aos ganhos subjetivos conquistados a partir de uma justa proposta terapêutica, quero sempre oferecer o que propõe o PGT quanto à inclusão dessa população no mercado formal de trabalho. Por respeito a uma diferença imposta por um “diagnóstico”, o PGT estabelece particulares condições para o acesso e permanência de pessoas com transtornos graves no trabalho formal. E é assim que se consolida uma experiência pioneira de mais de 8 anos em curso no RJ, na empresa supermercadista PREZUNIC-Cencosud, com 52 usuários de saúde mental trabalhando de maneira coordenada e responsável e com todos os seus direitos trabalhistas garantidos.

Fábio - 5 de julho de 2016

Queria agradecer doutor Leonardo pela iniciativa do site. Parabéns !

rute araujo - 6 de julho de 2016

Percebo que está acontecendo uma maior aceitação da população com transtornos mentais pela sociedade em geral e felizmente também pelo mercado de trabalho. Como convivo com uma pessoa portadora de esquizofrenia, e esta pessoa trabalha para mim, tenho a depor que ela é totalmente confiável e competente quanto aos resultados de seu trabalho,

Adriana - 12 de julho de 2016

Eu preciso de ajuda..minha mãe tem distúrbios, é bipolar, tem peste emocional, causa o caos, gostaria de estar sempre em conflito com alguém, só reclama de dores e doenças. . É fantástica religiosa, tive vários problemas cima ela, só se mete em confusão, faz entrigas entre família e vizinhos, preciso de ajuda pra internação particular, ela vão acabar morrendo na mão dos outros pois alá causa muita irritação nas pessoas onde ela convive. Tenho dois filhos pequenos e não consigo sozinha. .Me ajudem por favor, onde posso procurar ajuda?

Editor do Portal - 26 de julho de 2016

Adriana, comece pesquisando os recursos, como hospitais e clínicas, na sua região. Em seguida, procure um psiquiatra para receber uma orientação mais especializada e particular para o caso de sua mãe. Sugiro que leia http://entendendoaesquizofrenia.com.br/website/atendimento/caps-hospitais/ e http://entendendoaesquizofrenia.com.br/website/a-esquizofrenia/como-agir-em-emergencias/

VERGINIA M M B COTTING - 28 de agosto de 2016

Eu tenho uma filha de 34 anos diagnosticada com esquizofrenia aos 22. Foram várias internações e tentativas, frustradas de inserção no mercado de trabalho.
Procuro há meses uma moradia ou residência assistida, onde ela possa “aprender” a tomar as rédeas da própria vida; não sei mais onde procurar ajuda, pois os custos desses locais, variam de 6 até 10 mil reais/mês.
A maioria de clínicas, com custo inferior, não passam de “depósito” humanos; prometem de tudo, mas nada acontece.
Me ajudem, por favor?? Sou de São Paulo.
Obrigada

Editor do Portal - 29 de agosto de 2016

Verginia, não conhecemos residências terapêuticas privadas em SP para lhe indicar.

Add your comment