Blog

Blog

Parque Madureira

Editor do Portal 22 de dezembro de 2012 Dicas Culturais No comments
featured image

Ponto nevrálgico da área mais urbanizada do Rio, onde linhas de trem cortam a paisagem rumo a Belford Roxo e fábricas produzem de roupas a biscoitos em ritmo frenético, Madureira tem agora um oásis de natureza em sua paisagem. Desde o dia 23 de junho, visitantes e moradores do bairro podem desfrutar da terceira maior área verde carioca – menor apenas que o Aterro do Flamengo e a Quinta da Boa Vista. Trata-se do Parque Madureira, área com 103 000 metros quadrados, o equivalente a 12 campos de futebol, em que estão distribuídas atividades esportivas, mirante, praças de alimentação e pistas para caminhada. Outro destaque fica pelo emprego de tecnologias ecológicas, como o reuso da água da chuva para a irrigação de plantas e as 400 lâmpadas LED, que consomem a metade da energia de um modelo comum.

Foram investidos 100 milhões de reais para transformar o antigo terreno baldio da Light em um espaço repleto de atrações. A mudança começa pelo plantio de 52.000 mudas, 432 árvores nativas e 194 palmeiras, assim como 21.500 metros quadrados de grama verdinha. Promete-se que o espaço, que conta ainda com cinco fontes, diminua a temperatura do entorno em até 5 graus celsius, um alívio para o bairro, que tem 98% do território coberto pelo concreto de avenidas e edifícios. Além do convívio com a natureza, quem for ao parque pode também aproveitar as quadras poliesportivas, assim como as mesas para pingue-pong, os campos de futebol e uma rampa de skate enorme,  projetada pelo campeão mundial Bob Burnquist.

Para desvendar o Parque Madureira, VEJA Rio visitou o espaço nesta terça (3) e conta o que ele tem de melhor – e o que precisa ser aperfeiçoado.
 
Jardim Botânico. Com espécies nativas e exóticas, foi feito especialmente para os deficientes visuais. Eles podem tocar e identificar cada planta pela textura e o cheiro das folhas.
 
Fontes. Caminhando pela área das fontes, é possível esquecer o burburinho do entorno enquanto houve-se apenas o barulho das águas. No total, são cinco jatos d’água e lagos que ocupam 1600 metros quadrados, ajudando a reduzir a temperatura.
 
Pista de skate. Pode-se dizer que é uma das atrações mais aguardadas. Em fase final de acabamento, terá espaço para modalidades street, longboard e vertical. O maior vão possui 3,5 metros de profundidade e, somando-se todo o espaço, são 3.850 metros quadrados reservados aos skatistas.
 
Praça do Samba. Próximo à quadra da Portela, uma das mais tradicionais escolas de samba cariocas, o parque também ganhou uma área dedicada ao ritmo. Lá, bambas da região vão tocar numa praça com capacidade para 360 pessoas sentadas ou 3.000 em pé.
 
Pedalando é mais rápido. Caso não queira caminhar por mais de um quilômetro para conhecer toda a extensão. é possível alugar uma bicicleta no sitema Bike Rio (confira aqui o site do programa). Outra opção são as bicicletas com dois e três lugares, que custam R$ 10,00 o período de 30 minutos.
 
Que tal uma partida de dama? No trecho mais agradável, logo à frente das fontes d’água, há nove mesas de jogos para partidas de damas e xadrez.
 
Quadras esportivas. Já estão disponíveis a quadra de volêi de praia e futebol society e, em fase final de acabamento, duas poliesportivas. 
 
Centro de educação ambiental. É a sede administrativa e tem como destaque uma belíssima parede verde, recoberta por frondosas bromélias. Lá, o visitante pode se inscrever para aulas de tênis de mesa, basquete, caminhada orientada e musculação. Ainda aguarda, no entanto, o início de atividades educativas sobre o meio ambiente.
 
Academia para a terceira idade. Bastante concorrida, é um dos trechos mais procurados. Lá, idosos fazem exercícios leves ao longo de todo o dia. Mas, atenção: evite os horários de sol forte, já que não há áreas sombreadas.
 
Praças de alimentação. São três, distribuídas ao longo do parque. É possível escolher entre sanduíches do Bob’s, e cachorros-quente da rede Dog’s, entre outras opções. Fazem falta, no entanto, opções mais saudáveis que incluam frutas e refeições leves.
 
E o que precisa melhorar?

Não há espaços sombreados ainda, já que as plantas estão em fase inicial de crescimento. Por isso, o sol bate inclemente em todos os cantos e as raras sombras são disputadíssimas.
 
Nem todos os banheiros encontram-se em funcionamento. Durante a visita, quatro dos oito estavam fechados.
 
Prometida como principal espaço para educação e tecnologia, a Nave do Conhecimento ainda está em obras. Se o parque foi inaugurado, ela já deveria estar em operação. O mesmo pode-se dizer do deque com vista para todo parque. 
 
Como chegar: Rua Soares Caldeira, 115, Madureira (Em frente ao Madureira Shopping). De terça a domingo, das 5h à 0h. Grátis.

Fonte: Veja Rio

Add your comment