Artigos

Artigos

Os caminhos do grupo Construindo Horizontes.

Editor do Portal 11 de julho de 2018 Artigos, Blog, Depoimentos 1 comment
featured image

O Grupo Construindo Horizontes é um grupo de apoio formado por familiares e pacientes que participaram do Programa Entrelaços, do Instituto de Psiquiatria da UFRJ. É um grupo aberto à comunidade, que funciona num Centro Municipal de Saúde no bairro de Botafogo, Rio de Janeiro. O Portal Entendendo a Esquizofrenia foi conversar com Kathiuska Alvarez, coordenadora do grupo, sobre essa experiência. Recentemente o grupo passou a acolher novas famílias que convivem com transtornos mentais severos, como esquizofrenia e transtorno bipolar, para partilharem experiências e soluções. Conheça mais sobre esse projeto que vem transformando a assistência às famílias! Portal Entendendo a Esquizofrenia: Conte um pouco do percurso do grupo Construindo Horizontes até aqui.       Kathiuska: O grupo Construindo Horizontes, nasceu em

>> Leia mais…

Entrelaços 2017: Recuperação e empoderamento da família e dos pacientes para uma nova abordagem na saúde mental.

Editor do Portal 24 de dezembro de 2017 Artigos, Blog, Depoimentos, Multimídia No comments
featured image

Assista aos vídeos do encontro deste ano do Programa Entrelaços na íntegra, onde são abordados o papel da família, do paciente e do sistema de saúde dentro de um novo paradigma, o da recuperação pessoal. Descubra a força dos grupos de apoio entre pares e como eles ajudam as famílias e os pacientes na busca por maior capacitação, empoderamento e resiliência, culminando na recuperação de todos para uma vida mais ativa, digna e com qualidade dentro de sua comunidade. O programa Entrelaços é um programa de psicoeducação do Setor de Terapia de Família do Instituto de Psiquiatria da UFRJ (IPUB) que vem formando grupos de apoio entre pares na comunidade para as pessoas que convivem com transtornos mentais severos desde

>> Leia mais…

O modelo de recuperação pessoal: a pessoa no centro da intervenção.

Editor do Portal 12 de dezembro de 2017 Artigos, Blog 11 comments
featured image

Colocar a pessoa no centro da intervenção é talvez a maneira mais simples de descrever a mudança de paradigma que o modelo de recuperação pessoal está introduzindo em grande escala nos sistemas contemporâneos para o cuidado das pessoas com doença mental grave. A pessoa no centro da atenção tem implicações de grande importância que merecem destaque. O que consiste em ser uma pessoa? É uma questão mais para um filósofo do que para um cientista. Para Adela Cortina (“As fronteiras da pessoa”, Taurus Ed 2009, pp.185), “reconhecemos como uma pessoa que tem as capacidades necessárias para a autoconsciência, para o reconhecimento mútuo da dignidade, para agir de acordo com a liberdade e assumir responsabilidades “. Que esta idéia pode ser

>> Leia mais…

Por que explorar de forma sensacionalista e inverídica a doença mental na TV aberta em horário nobre?

Editor do Portal 23 de novembro de 2017 Artigos, Blog, Multimídia 18 comments
featured image

Uma moça de 34 anos estava com sua família em frente à sua TV da sala quando, inadvertidamente, sem que lhe pedissem licença, de maneira violenta e cruel, invadiram sua casa com cenas de violência e carregadas de preconceito sobre um tema tão delicado e tão custoso às pessoas que, como ela, padecem de algum transtorno mental. A cena lhe custou uma noite sem dormir, colocando ela e sua família em desespero, vendo-se novamente cercada por fantasmas que lhe assombraram no passado e que acreditava estar superando com a ajuda do tratamento e do apoio de sua família. A cena foi uma infeliz e desrespeitosa abordagem da novela ‘O Outro Lado do Paraíso’, das 21h, da TV Globo, de autoria

>> Leia mais…

Chega ao Brasil a Lurasidona, nova opção de tratamento para esquizofrenia e transtorno bipolar.

Editor do Portal 31 de outubro de 2017 Artigos, Blog, Noticias 20 comments
featured image

Chega este mês no Brasil, aprovado pela ANVISA (Agência de Vigilância Sanitária), a lurasidona (Latuda), mais uma opção para o tratamento da esquizofrenia e da depressão bipolar. Lurasidona (comercializado com o nome de fantasia Latuda, pelo laboratório Daiichi Sankyo Brasil) é uma molécula com propriedades antipsicóticas da classe dos atípicos ou de segunda geração, agindo como antagonista (bloqueadora) de receptores de dopamina D2 e D3 e de receptores de serotonina 5-HT2A e 5-HT7 e como agonista parcial (estimulante) de receptores serotoninérgicos 5-HT1A. Ela é aprovada nos EUA desde 2010 para o tratamento da esquizofrenia e desde 2013 para o transtorno bipolar (episódios depressivos). É um antipsicótico de segunda geração como menor risco de efeitos cardiovasculares, ganho de peso e aumento

>> Leia mais…

Mensagens para manter em mente: Seminários Entrelaços 2017

Editor do Portal 5 de outubro de 2017 Artigos, Blog No comments
featured image

O Portal Entendendo a Esquizofrenia, comprometido com iniciativas como esta, divulga em primeira mão as mensagens dos seminários do Programa Entrelaços 2017 para familiares e pacientes manterem em mente, para uma relação mais saudável e produtiva, capaz de auxiliar na busca pela recuperação de cada um deles. Entrelaços é um programa de psicoeducação do Setor de Família do Instituto de Psiquiatria da UFRJ-IPUB criado em 2011 com o objetivo de educar as famílias que convivem com Transtornos Mentais Severos, como esquizofrenia, transtorno esquizoafetivo e transtorno bipolar, para que possam lidar melhor com a doença mental, reduzindo o estresse e a sobrecarga na família, solucionando da melhor forma os conflitos e problemas, contribuindo, assim, para uma evolução mais positiva e para

>> Leia mais…

Dia Mundial da Saúde Mental: Mais Protagonismo para Pacientes e Cuidadores.

Editor do Portal 10 de outubro de 2016 Artigos, Blog 1 comment
featured image

Neste dia 10 de outubro comemoramos o Dia Mundial da Saúde Mental e a mensagem é que para recuperarmos a saúde é necessário maior protagonismo na vida e no tratamento daqueles que sofrem de algum transtorno mental. Para se recuperar de um transtorno mental o paciente precisa passar por um processo de mudança que vai além do tratamento. Ele precisa melhorar sua saúde e bem estar no seu dia-a-dia, mudando o estilo de vida e incorporando hábitos mais saudáveis, como atividades físicas, abstinência de álcool e drogas, higiene do sono, dieta, entre outros. O objetivo inicial é viver uma vida em que ele reassuma as responsabilidades, empodere-se e se capacite para gerir sua própria vida e se esforce para alcançar

>> Leia mais…

Estudos abordam o significado da recuperação pessoal (“recovery”) na esquizofrenia

Editor do Portal 10 de maio de 2016 Tags: Artigos, Blog 5 comments
featured image

Recuperação pessoal (do inglês, “recovery”) é um conceito que vem sendo difundido no mundo todo e aplicado pela maioria dos países desenvolvidos na estruturação dos seus serviços de saúde mental. Um estudo apresentado no Congresso da Sociedade Internacional de Pesquisa em Esquizofrenia em abril deste ano, em Florença, por pesquisadores da Universidade de Dublin comparou pacientes em recuperação com pacientes não recuperados depois de 20 anos do primeiro episódio psicótico e concluiu, depois de entrevistas semi-estruturadas de 45 a 90 minutos de duração, que a recuperação pessoal pode ser definida como um processo de gradativa maturação no qual o tempo, o empoderamento e a autoria pessoal (self-agency) do paciente interagem entre si, permitindo que a pessoa aprenda sobre si mesma,

>> Leia mais…

Os efeitos 13 anos depois da mudança de nome da esquizofrenia no Japão.

Editor do Portal 27 de dezembro de 2015 Artigos, Blog 7 comments
featured image

Em 2002 a Associação Nacional de Famílias de Doentes Mentais do Japão solicitou à Sociedade Japonesa de Psiquiatria e Neurologia a mudança de nome da esquizofrenia, por considerar que o termo era estigmatizante e ligado a uma visão negativa e pessimista da doença, interferindo com a recuperação daqueles que dela padeciam. O nome foi, então, alterado para Distúrbio da Integração. Treze anos depois a mudança de nome fez com que o estigma no Japão fosse reduzido, que mais diagnósticos fossem feitos e que pacientes e famílias aceitassem melhor a doença. As pessoas mais jovens, mais da metade, chegam a reconhecer que os dois termos retratam doenças distintas. Porém, este efeito de longo prazo está seriamente ameaçado, pois a mídia japonesa

>> Leia mais…